Spice girl manifesto

Eu sou um cara casado. De casamento já se vão oito ótimos anos de vida juntos. Mas nos conhecemos antes disso, mais ou menos uns cinco anos antes. Somando tudo posso dizer que temos uma excelente convivência, uma vida compartilhada por assim dizer a pelo menos treze anos. Ainda assim, não posso dizer que a conheço completamente. Não sei de todos os seus anseios ou vontades, de todos os seus desejos e existem muitos momentos em que ela diz uma coisa querendo dizer outra. Embora isso possa parecer um lamento, é só um fato, que eu aceitei e levo a nossa relação tendo isso em mente. Mas é bem interessante de se pensar que pessoas que dormem e acordam juntos, que compartilham suas vidas de maneira tão intensa não sejam capazes de compreender as vontades um do outro por completo, não é mesmo?

Se mesmo com toda essa intimidade eu aceito o fato do desconhecido, porque você exige do seu cliente algo diferente quando vai iniciar um projeto? Sério, o paralelo não é tão distante. Vocês mal se conhecem, são pessoas em última instância, não empresas. E são desejos/necessidades de pessoas que precisam ser traduzidos em requisitos de software. O mal entendimento desses desejos e vontade pode sim decretar o sucesso ou o fracasso de um projeto. Assim como em casa eu uso várias técnicas para entender o que minha esposa espera de mim, aplico o mesmo pensamento no trabalho.

Continuar leitura →